Vitrines

Atraindo voyeuristicamente o passante, os objetos expostos na vitrine são desfrutados a distância, perversamente.
As vitrines são um dos elementos de maior poder de sedução no espaço urbano. O produto ali exposto surge num espaço virtual quase metafísico, que os deixa em posição intermediária, nem dentro da loja nem na rua. Entre o objeto e a rua uma parede invisível, o vidro. Translúcido, como fosse uma barreira de ar congelado, o vidro permite ver o objeto, mas não tocá-lo. A vitrine fascina e seduz. Castrados pela impossibilidade momentânea de efetivar a posse, dá-se o impasse descrito em nota por Marcel Duchamp.


“A questão das vitrines. Submeter-se à interrogação das vitrines. A exigência das vitrines. A prova da vitrine da existência do mundo exterior. Quando alguém se submete ao exame da vitrine, este alguém pronuncia também sua própria sentença. De fato, a escolha desse alguém é uma viagem de ida e volta. Das exigências da vitrine, da inevitável resposta às vitrines, minha escolha é determinada. Nenhuma teimosia, ab absurdo, em esconder o coito através do painel de vidro com um ou vários objetos da vitrine. A pena consiste em cortar o painel e sentir remorso tão logo a possessão é consumada.”

À vitrine, como à publicidade, só interessa quando se age num primeiro impulso, sem que os anseios sejam saciados. Procura-se, como estratégia, manter-se sempre o desejo de consumo e a frustração.
Em caso comum, a frente da loja é ocupada na maior parte pela vitrine e a entrada é mantida fechada por uma porta de vidro. Evita-se que a parte interna da loja fique devassada, a barreira é proposital e espera ser rompida. Com a luz do dia a arquitetura e o movimento da rua refletem sobre o vidro, que parece engolfar o espaço. Deslocando-se diante da vitrine tem-se a sensação que o objeto também se move ocupando planos diferentes. À noite, com pouca luz, tem-se a pupila dilatada e conseqüentemente a visão das coisas desfocada. A vitrine iluminada possibilita recuperar o foco justamente ao se olhar o objeto exposto, que nítido, ganha aura.

No poema “Vitrina” Guilherme de Almeida escreveu:

A mocinha parou um instante

Junto do alto cristal da vitrina

Namorando um “soutien” fascinante

E umas pernas de seda franzina.

E não viu o automóvel brilhante

Que dobrou silencioso uma esquina

E parou atrás dela um instante.

Nem ouviu o que disse a buzina

Namorando um “soutien” fascinante

E umas pernas de seda franzina

Enguiçados e extáticos diante

Daquele alto cristal de vitrina.

Tags: ,

2 comments

  1. Adorei o seu blog!!!
    Complexo isso sobre as vitrinas…mas é mais ou menos algo assim mesmo que tanto me fascina por tais vitrinas.
    E eu entendo assim…como foi explicado, se a medida que eu me mexo, o objeto me persegue, é pq rolou um clima. Sendo assim, tenho que possuí-lo. E após vencer esse jogo de sedução, a única coisa que sinto é um imenso prazer e uma enorme satisfação!!! kkkkkkkkkkkk
    Bem a cara da sua sobrinha consumista…hehehe
    Te adoro!!! Bjooo

  2. rogério camara

    “Rolou um clima” é perfeito!

Leave a Reply

Your email address will not be published.