Praça da Soberania em Brasília

soberania-desenho

Projeto da Praça da Soberania, Oscar Niemeyer, 2009

proj_niemeyer

Simulação de realização do projeto, Correio Braziliense, 2009

Em janeiro o arquiteto Oscar Niemeyer propôs para a cidade de Brasília um novo monumento a ser exposto na Esplanada dos Ministérios. Trata-se de uma solicitação do presidente Lula que resultou na praça da Soberania composta de uma escultura de 100m de altura (o congresso tem 92m)  e um Memorial dos Presidentes. A possibilidade da construção da obra resultou numa discussão sem precedentes  que não cabe detalhar aqui, pois está bem documentada na internet. Os artigos de Niemeyer dizem muito sobre um arquiteto que pensa o projeto como um deus a gerenciar a vida coletiva.  Projeta “desinteressado nas opiniões que surgem”1 segundo suas próprias palavras. As suas defesas apresentadas ao projeto são maniqueístas, arrogantes e num certo sentido contraditórias. Propõe mais uma grande área coberta de cimento inabitável e, no entanto, escreve:

“Os que contestam qualquer modificação em Brasília, se fossem mais curiosos e interessados no que ocorre neste velho planeta, saberiam que um dia — como os cientistas prevêem — as calotas polares poderão derreter mais rapidamente, elevando o nível dos oceanos a mais de dois metros. E aí, meus amigos, o que mais importa não é uma imposição como a que eu vinha comentando, mas a própria natureza a intervir em todas as áreas litorâneas, exigindo da arquitetura e do urbanismo as soluções indispensáveis.
“E vou mais longe. A degradação ambiental começa a se agravar, determinando um dia, quem sabe, que as grandes áreas abertas venham a ser arborizadas, e que as coberturas de concreto, previstas na maioria dos edifícios, sejam também transformadas em terraços-jardim cobertos de grama.
“E fico a refletir sobre o texto que acabo de escrever, certo de que a vida, o progresso humano e a própria ciência justificam as grandes modificações que a arquitetura e o urbanismo vêm propondo em toda a parte.”2

Meu interesse aqui não é ampliar a discussão em torno do projeto, pois esta já se esgotou no tempo e com o cancelamento de sua execução por iniciativa do próprio arquiteto. Afinal ele “mais do que qualquer um, estava em condições de propor essa praça” e, por sua vez retirar a proposta.

desenho_esplanada_mont

Projeto de Burle Marx para Esplanado dos Ministérios publicado no Correio Braziliense 31/01/2009

Gostaria de chamar atençãopara o projeto desenvolvido, mas infelizmente não realizado, por Burle Marx.  Embora oportunamente resgatado pela jornalista Graça Ramos no Correio Braziliense (Caderno C – 31/01/09) o projeto nem ganhou repercussão nesta polêmica. Se a praça proposta por Niemeyer serviria de paisagem e exposição de poder, mas não como local de estada, convivência e passagem o parque de Burle Marx nos oportunizaria uma relação orgânica, plenamente habitável, com o espaço. O parque iria da Rodoviária ao congresso e conteria um grande lago que “em função da diferença de nível, seria dividido em pequenas barragens de onde a água desceria, para formar um verdadeiro véu e contribuir para melhorar sensivelmente o microclima do entorno. No último segmento, toda água excedente seria filtrada e aproveitada nas instalações do Congresso Nacional.”(KAMP, Renato. Burle Marx) Contaríamos com uma variada vegetação e gamas de cores e uma pista sinuosa pela qual poderíamos caminhar e andar de bicicleta tomando o cenário sobre diversas perspectivas. Quem já experimentou se deslocar da Rodoviária a um ministério sabe bem a diferença que este espaço faria.

Não tenho dados a respeito dos motivos que levaram a não execução do projeto de Burle Marx, mas é sabido dos atritos que ele tinha com Niemeyer que considerava a presença de árvores uma barreira a livre observação de sua arquitetura. Ao nosso maior arquiteto interessa a perspectiva dos prédios onde estão instaladas as instituições de poder, e privilegiar a sua “arquitetura simbólica”. Na perspectiva do Eixo Monumental, se perfilam os ministérios, lado a lado, antes encabeçado à direita pela catedral, que traduz em sua arquitetura um ato de união de mãos elevadas em saudação e, o Congresso que verticaliza-se no ponto de fuga desse grande corredor de poderes formando à frente dos diversos palácios,  o polo disseminador de decisões políticas irrefutáveis e irrecusáveis, atuando como o fiel da balança. Brasília é uma cidade sem áreas de convivência, sem esquinas, endurecida pela arquitetura, embora se vanglorie dos 100 m2 de área verde que possui por habitante. Essa falta de favorecimento do processo de sociabilização e de humanização dos meios, estabelece uma grande dificuldade do espaço Brasília se constituir como cidade. Seu projeto, enfim, peca por não considerar as transformações no processo evolutivo, sendo impermeável aos anseios de seus habitantes.

Tags: ,

1 comment

  1. Leonardo de Oliveira Cardoso

    Clichês… Clichês… Clichês… Eu já me canso disso faz tempos. Esta história se repete e até pessoas que nunca estiveram em Brasília repetem o que outros falam sem saber nada da cidade. Brasília é uma cidade nova que ainda sofre com marcas do despeito e dor de cotovelos da sociedade e mídia carioca da época da construção. Cidade fria? Cidade sem esquinas? Tudo isso é besteira. Não tem que ser igual a nada, mas o pior é que tem, mas a sua maneira. E sem área de convivência? Brasília é uma cidade diferente de qualquer convencional e por isso única. Tem esquina, mas não como se vê na cidade convencional. E se não tivesse, que importância faz? E sobre “áreas de convivência”? O morador de Brasília não precisa de áreas de convivência uma vez que a cidade toda é urbanizada como um grande jardim. As pessoas se encontram e socializam nas quadras próximas as suas residências. Mesmo assim concordo com a aparente necessidade de um projeto para a Esplanada. Claro que o projeto de Burle Marx parece ser lindo e como todo projeto, acho que pode ser mudado para se adequar aos desejos de Niemeyer por fazer todo sentido. Mais lagos e lagoas pela cidade seriam interessante também. Abraço.

Leave a Reply

Your email address will not be published.