31
May 09

Praça da Soberania: versão 2

correio29_05_versao_01_02Comparação entre a primeira e segunda versão (Correio 29/05/2009)

correio_30_05Segunda versão da praça (Correio 30/05/2009)

Esta semana Oscar Niemeyer apresentou nova versão para o projeto da Praça Soberania. A versão anterior já havia sido discutido aqui. Desta vez Niemeyer reduziu o monumento pela metade (de 100m para 50m) e o deslocou do centro para preservar a visibilidade da Esplanada dos Ministérios. Em nova entrevista ao Correio Braziliense (29/05/2009) afirma que a praça “é bonita, é monumental” e que tem “o direito de fazê-la. Brasília não é só urbanismo, é também arquitetura.” Reforça “essa praça não tem discussão.” Esqueceu-se apenas de considerar que longe vai o tempo em que Brasília era uma cidade imaginada e determinada em planta baixa por um arquiteto. Existem hoje as pessoas de Brasília e estas, mesmo que o magnífico arquiteto as considere um estorvo por seus pensamentos individuais, afetam de alguma forma a cidade e são afetadas por ela e, sobretudo, cumprem o seu dia-a-dia na capital federal.


23
May 09

Cartografia V – Transsibérien

transssiberienBlaise Cendrars e Sonia Delaunay, 1913

Em 1913 Blaise Cendrars publicou “La prose du Transsibérien et de la petite Jehanne de France”, que ficou também conhecido como “Le premier livre simultané”. Transsibérien se refere à estrada de ferro inaugurada em 1905 ligando a Rússia Ocidental ao Pacífico e, de certo modo, alude a todas as estradas que estavam sendo construídas pelo mundo estreitando os espaços, permitindo viajar em velocidade “meteórica”.

A obra é impressa numa única folha de papel de mais de dois metros dobrável. A reunião de todos os 150 exemplares atingiria a altura da Torre Eiffel. O trabalho teve a colaboração da pintora Sonia Delaunay, o que foi assim creditado – “cores simultâneas de Mme Delaunay-Terk”. Um conjunto de massas de cores puras, saturadas, intensas como a vida na era da eletricidade. Vibrações, dinamismos, distorções do espaço e do tempo. Um poema de viagem, mas que desfoca o trajeto, costurando outros tempos e espaços.

Simultâneos, também, a cor e o texto – verbovisual. A lógica plena da palavra em linhas que flutuam e se perdem entre a luz. Como quando se fixa o olhar nas chamas do fogo. Assim Cendrars descreve seu poema “(…) uma experiência única em simultaneidade, escrita em cores contrastantes a fim de levar o olho a ler de um só golpe de vista o conjunto do poema”


18
Feb 09

Breaking the code for innovation

Estende-se a polêmica em torno do inusitado pdf de apresentação da nova marca da Pepsi. O documento intitula-se “Breaking the code for innovation: from convention to Innovation” e tem pretensões astronômicas. A indústria americana sempre se caracterizou por impor seu produto em qualquer parte do mundo, mas desta vez quer se chegar à ordem universal. O documento se justifica pela razão áurea do universo e é pautado pela história da humanidade. Neste anseio inventa os grids de construção de suas diversas marcas e aniquila o rigor da geometria. Mas não há motivo para crer que o documento é falso e dele já se fez um vídeo institucional. No mundo do Código de Da Vinci tudo que se apresenta é crível.
Disto tudo, a melhor tradução da nova marca da Pepsi que encontrei foi esta:

pepsi_caricatura


18
Feb 09

Niemeyer X Gropius

Por falar em Niemeyer, ele esteve recentemente em Brasília, embora argumentasse não ter o que fazer por aqui (talvez para justificar o passeio tenha apresentado a seguir o projeto da Praça da Soberania). Na viagem foi entrevistado pelo Correio Braziliense e revelou seus desafetos modernos.

“A Bauhaus, que é a turma mais imbecil que apareceu, chamava a arquitetura de a casa habitat.(Não interessava) a forma desde que o quarto estivesse perto do banheiro, a cozinha perto da sala e funcionasse bem. Foi um período de burrice que conseguimos vencer. A escola que eles construíram nunca ninguém pensou nela, porque não tem interesse nenhum, ninguém nunca ouviu falar. E o chefe do negócio, o Walter Gropius, era um babaca completo. Ele foi na minha casa nas Canoas, subiu comigo e disse a maior besteira que já ouvi: ‘Sua a casa é muito bonita, mas não é multiplicável’. Pensei que filho da puta! Para ser multiplicável teria que ser em terreno plano, teria que procurar um terreno igual e meu objetivo não era uma casa multiplicável, era uma casa boa para eu morar. Eles eram assim, sem brilho nenhum. O trabalho que ele deixou é um monte de casas que se repetem. Foi um momento que ameaçou a arquitetura, mas Le Corbusier e os outros reagiram. Foi um momento em que a burrice queria entrar na arquitetura, mas foi reprimida.” (Correio Braziliense 14/12/2008)

É verdade que ninguém tem que meter o bedelho na casa do outro, ainda mais quando se trata de arquitetos. Mas este é um típico refute de um arquiteto formalista-expressionista diante das observações de outro preocupado em determinar os progressos da vida social.


18
Feb 09

Praça da Soberania em Brasília

soberania-desenho

Projeto da Praça da Soberania, Oscar Niemeyer, 2009

proj_niemeyer

Simulação de realização do projeto, Correio Braziliense, 2009

Em janeiro o arquiteto Oscar Niemeyer propôs para a cidade de Brasília um novo monumento a ser exposto na Esplanada dos Ministérios. Trata-se de uma solicitação do presidente Lula que resultou na praça da Soberania composta de uma escultura de 100m de altura (o congresso tem 92m)  e um Memorial dos Presidentes. A possibilidade da construção da obra resultou numa discussão sem precedentes  que não cabe detalhar aqui, pois está bem documentada na internet. Os artigos de Niemeyer dizem muito sobre um arquiteto que pensa o projeto como um deus a gerenciar a vida coletiva.  Projeta “desinteressado nas opiniões que surgem”1 segundo suas próprias palavras. As suas defesas apresentadas ao projeto são maniqueístas, arrogantes e num certo sentido contraditórias. Propõe mais uma grande área coberta de cimento inabitável e, no entanto, escreve:

“Os que contestam qualquer modificação em Brasília, se fossem mais curiosos e interessados no que ocorre neste velho planeta, saberiam que um dia — como os cientistas prevêem — as calotas polares poderão derreter mais rapidamente, elevando o nível dos oceanos a mais de dois metros. E aí, meus amigos, o que mais importa não é uma imposição como a que eu vinha comentando, mas a própria natureza a intervir em todas as áreas litorâneas, exigindo da arquitetura e do urbanismo as soluções indispensáveis.
“E vou mais longe. A degradação ambiental começa a se agravar, determinando um dia, quem sabe, que as grandes áreas abertas venham a ser arborizadas, e que as coberturas de concreto, previstas na maioria dos edifícios, sejam também transformadas em terraços-jardim cobertos de grama.
“E fico a refletir sobre o texto que acabo de escrever, certo de que a vida, o progresso humano e a própria ciência justificam as grandes modificações que a arquitetura e o urbanismo vêm propondo em toda a parte.”2

Meu interesse aqui não é ampliar a discussão em torno do projeto, pois esta já se esgotou no tempo e com o cancelamento de sua execução por iniciativa do próprio arquiteto. Afinal ele “mais do que qualquer um, estava em condições de propor essa praça” e, por sua vez retirar a proposta.

desenho_esplanada_mont

Projeto de Burle Marx para Esplanado dos Ministérios publicado no Correio Braziliense 31/01/2009

Gostaria de chamar atençãopara o projeto desenvolvido, mas infelizmente não realizado, por Burle Marx.  Embora oportunamente resgatado pela jornalista Graça Ramos no Correio Braziliense (Caderno C – 31/01/09) o projeto nem ganhou repercussão nesta polêmica. Se a praça proposta por Niemeyer serviria de paisagem e exposição de poder, mas não como local de estada, convivência e passagem o parque de Burle Marx nos oportunizaria uma relação orgânica, plenamente habitável, com o espaço. O parque iria da Rodoviária ao congresso e conteria um grande lago que “em função da diferença de nível, seria dividido em pequenas barragens de onde a água desceria, para formar um verdadeiro véu e contribuir para melhorar sensivelmente o microclima do entorno. No último segmento, toda água excedente seria filtrada e aproveitada nas instalações do Congresso Nacional.”(KAMP, Renato. Burle Marx) Contaríamos com uma variada vegetação e gamas de cores e uma pista sinuosa pela qual poderíamos caminhar e andar de bicicleta tomando o cenário sobre diversas perspectivas. Quem já experimentou se deslocar da Rodoviária a um ministério sabe bem a diferença que este espaço faria.

Não tenho dados a respeito dos motivos que levaram a não execução do projeto de Burle Marx, mas é sabido dos atritos que ele tinha com Niemeyer que considerava a presença de árvores uma barreira a livre observação de sua arquitetura. Ao nosso maior arquiteto interessa a perspectiva dos prédios onde estão instaladas as instituições de poder, e privilegiar a sua “arquitetura simbólica”. Na perspectiva do Eixo Monumental, se perfilam os ministérios, lado a lado, antes encabeçado à direita pela catedral, que traduz em sua arquitetura um ato de união de mãos elevadas em saudação e, o Congresso que verticaliza-se no ponto de fuga desse grande corredor de poderes formando à frente dos diversos palácios,  o polo disseminador de decisões políticas irrefutáveis e irrecusáveis, atuando como o fiel da balança. Brasília é uma cidade sem áreas de convivência, sem esquinas, endurecida pela arquitetura, embora se vanglorie dos 100 m2 de área verde que possui por habitante. Essa falta de favorecimento do processo de sociabilização e de humanização dos meios, estabelece uma grande dificuldade do espaço Brasília se constituir como cidade. Seu projeto, enfim, peca por não considerar as transformações no processo evolutivo, sendo impermeável aos anseios de seus habitantes.